O fim da picada.

 

Quando a gente pensa que já viu tudo, a cartolagem consegue ir além. O apelo dos clubes foi em vão e a CBF decidiu que o Brasileirão da Série B deste ano terá cinco rodadas disputadas em plena Copa do Mundo.

A entidade garante ter uma autorização especial da Fifa, que proíbe a realização de campeonatos em paralelo ao Mundial, para manter a bola rolando por aqui. “O público vai estar voltado para a Copa do Mundo.

Vai ser um ano difícil em que vamos ter que suportar mais essa dificuldade”, reagiu com lucidez o presidente do Londrina, Claudio Canuto. E que dificuldade! Perdem os patrocinadores, com menor exposição de suas marcas, os detentores de direitos de TV, com menos audiência, os clubes e o torcedor.

A Taça Guanabara chega à fase decisiva da mesma forma como começou: apequenada pela cartolagem, desprezada pelo torcedor e sem nenhuma relevância para os clubes. A decisão da Ferj de levar para Volta Redonda o clássico Flamengo x Botafogo, uma das semifinais, no fim de semana, é o clímax da desconstrução do torneio que já foi em outros tempos um dos mais charmosos do futebol brasileiro.

Fazer um jogo como esse, fora do Rio – em que pese a indisponibilidade do Maracanã – é o reconhecimento do fracasso. Os números desastrosos explicam em parte a transferência.

Enquanto o Cruzeiro registrou uma média de 40 mil torcedores nos três primeiros jogos no Mineirão, a maior do século, e o Palmeiras faturou líquidos cerca de R$ 4 milhões nos jogos como mandante, Fluminense e Macaé jogaram para 526 pagantes no sábado passado, na Baixada,  e o Flamengo x Vasco, clássico de maior público até aqui no Rio, teve menos de 20 mil pessoas no Maracanã, com um prejuízo de R$ 250 mil.

E o pior é que ao invés de trabalhar para reverter essa situação, a federação se conforma com migalhas. Sem que os clubes reajam. Que o futuro dos estaduais está longe de ser promissor, todos já sabemos.

Mas, parafraseando aquele dito popular,  cada campeonato tem o enterro que merece.

Infelizmente não é somente no Rio de Janeiro que acontece isso, a própria CBF, defende que podemos ter futebol durante a Copa do Mundo, então a Série B não vai parar. Teremos futebol em todo o País, durante a Copa do Mundo.

Simplificando, mesmo depois de termos presenciado um grande desprezo e abandono por jogos da canarinha antes de TITE, que resgatou nosso amor próprio, e nosso futebol a CBF prepara mais essa perola. Ela é que devia fechar suas portas, pois, nem cuidar para que sua galinha dos ovos de ouro não perca o brilho e seu valor, ela sabe, então só nos resta acompanhar esse cortejo fúnebre.

Estamos vendo cada dia mais, outros esportes tomarem lugar ao pódio do futebol que alguns anos atrás, era disparado o número um do Brasil. Hoje já temos depois do voleyball e basketball, até o futebol americano querendo espaço e da maneira que vai, certamente que terá.

Fonte: Lance Expresso.

Comentário e Tradução: Roberto Q. de Andrade.

Sem Comentário

Deixe um Comentário